ISSN 1982-6621 On-line | ISSN 0102-4698 Impresso (até 2015)

A EDUCAÇÃO COMO PRÁTICA DE LIBERDADE: UMA PERSPECTIVA DECOLONIAL SOBRE A ESCOLA

Dossiê

A EDUCAÇÃO COMO PRÁTICA DE LIBERDADE: UMA PERSPECTIVA DECOLONIAL SOBRE A ESCOLA


EDUCATION AS A PRACTICE OF LIBERTY: A DECOLONIAL PERSPECTIVE ABOUT SCHOOL


LÚCIA HELENA ALVAREZ LEITE – Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Educação, Belo Horizonte, MG, Brasil.

BÁRBARA BRUNA MOREIRA RAMALHO – Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG, Brasil

PAULO FELIPE LOPES DE CARVALHO – Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.


Clique aqui para baixar o artigo


RESUMO:

A escola brasileira carrega a herança de nosso passado colonial, que impôs a cultura e o conhecimento de povos dominantes a identidades que se expressavam de forma distinta e, por isso, não eram reconhecidos como legítimos. Sob essa perspectiva, a atuação da escola muitas vezes resultou na destruição de culturas e saberes; revelando a violência dessa instituição. Em Pedagogia do Oprimido, Paulo Freire denuncia tal realidade e propõe, como forma de ruptura, uma Educação para a Liberdade. Em 1989, Aníbal Quijano cria o termo ‘colonialidade’, para denunciar que a dominação presente nos sistemas coloniais perdura mesmo com o fim das colônias. Para ele, os padrões de poder, de saber e de ser são impostos pela lógica europeia, capitalista, ‘nortecentrada’. Como Freire, Quijano propõe o rompimento com esta colonialidade, apontando para uma perspectiva decolonial, que se encontra com a educação como prática da liberdade, revelando que outra educação é possível.

Palavras-chave: Educação Colonial; Pedagogia do Oprimido; Perspectiva Decolonial


ABSTRACT:

The Brazilian school carries the legacy of our colonial past, which imposed the culture and knowledge of a dominant people to identities that were expressed in a different way and, therefore, were not recognized as legitimate. From this perspective, the school’s operation often resulted in a destruction of cultures and knowledge; revealing the violence of this institution. In Pedagogy of the Oppressed, Paulo Freire denounces this reality and proposes, as a rupture, an Education for Freedom. In 1989, Aníbal Quijano creates the term “coloniality”, to denounce that the domination, present in the colonial systems. continues even after the end of the colonies. For him, the standards of power, knowledge and being are imposed by the European logic, capitalist, “north centered”. Like Freire, Quijano proposes a break with this coloniality, pointing to a decolonial perspective, likewise education as a practice of freedom, revealing that another education is possible.

Keywords: olonial Education; Pedagogy of the Oppressed; Decolonial Perspective


Recebido em: | Publicado em: